27.1.08

Sabores que despertam a digestão

Desde criança somos acostumados a comer um arrozinho sem tempero, ou um purê de batatas sem sal e sem manteiga quando não estamos muito bem do estômago. Comidinhas insossas nos ajudam a digerir o que não está fazendo bem, dão um refresco para o estômago, certo? Não necessariamente.

Num outro dia, ao assistir o programa da Nigella, esse meu conceito mudou. Ela dizia que quando abusa em um dia, gosta de comer algo saudável, mas de sabor forte, no dia seguinte, para se "recuperar".

Achei aquilo um pouco estranho e imaginei meu estômago rejeitando qualquer coisa mais forte em seus momentos de frescura. A história, porém, ficou na minha cabeça um bom tempo.

Um dia, de férias em Buenos Aires, senti que não estava lá no auge do meu apetite e que o abuso das carnes começou a pesar. No jantar, lembrando da Nigella, resolvi inovar e pedi um spaghetti alla puttanesca ao invés de um gnocchi sem molho. Sabe aquele com azeitonas pretas e aliche? E não é que caiu bem?

Hoje, lendo um artigo sobre o Ayurveda, medicina indiana milenar, descobri que ele incentiva o uso de alimentos saborosos para uma digestão apropriada. O princípio é o seguinte: o sabor de uma erva existe por um motivo, indica suas propriedades terapêuticas. O sabor afeta diretamente o sistema nervoso, que por sua vez estimula o fogo digestivo, aumentando o poder de digestão. Dessa forma, a medicina Ayurvédica aplica o uso de ervas e temperos corretos para auxílio das funções do estômago- em mais uma amostra de que o arroz sem gosto pode ser substituído.

A medicina indiana é um pouco complicada e inclui conceitos que não cabem aqui, mas você pode tentar uma refeição mais saborosa quando achar que precisa de uma ajudinha. Aquela pequena história de que "faz bem o que te apetece" pode funcionar aqui, é só você acrescentar os temperos que te despertarem o desejo.

Que tal uma salada de folhas, com bastante hortelã e gengibre em julienne? Ou uma massa com um molho de tomates frescos, em pedaços, e muito manjericão e alho ralado? Abuse ainda da versão doce e rale um pouco de gengibre em cima do abacaxi, ou refogue a manga em pedaços com canela e cravo. Seu estômago e paladar vão agradecer.

Abaixo uma receita de salada bastante incomum de um dos melhores livros que conheço, o Celeiro Saladas.

Ingredientes:
Para o molho

-3 colheres (s) de caldo de limão
-1 colher (s) de gengibre fresco, sem casca, picado miúdo
-1 colher (c) de mel
-2 colheres (s) de óleo de girassol
- 2 colheres (s) de azeite de oliva extravirgem
-1 colher (c) de sal marinho

Para a salada

-2 xíc. de feijão preto cozido
-1 e ½ xíc. de cebola roxa cortada em cubo pequeno
-1 e ½ xíc. de queijo de minas cortado em cubos pequenos -2 xíc. de mamãe Bahia cortados em cubos médios -1/2 xíc. de hortelã picada

Modo de preparo:

-Em uma travessa junte todos os ingredientes do molho e bata com um batedor manual
-Junte o feijão e a cebola e misture bem
-Quando for servir junte o mamão, o queijo e a hortelã e misture com cuidado para não quebrar

5 comentários:

laila disse...

bianca que interessante o que escrevestes1 adorei saber um pouquinho sobre a medicina indiana...tão sábios! e essa rceeita é inusitada, acho q tenho q fazer num dia q estiver sozinha..não sei se o povo toparia! mas eu já topei! bjos

Luciana disse...

Bianca,
parabéns pelo blog. Eu não o conhecia, mas passarei a visitá-lo com freqüência.

Um abraço e sucesso!

Luciana disse...

Bianca,
parabéns pelo blog. Eu não o conhecia, mas passarei a visitá-lo com freqüência.

Um abraço e sucesso!

Con Gusto disse...

Oi Laila,

Realmente a medicina indiana é muito sábia. Eu também gostaria de conhece-la mais, pois sei que ajudaria em muitas coisas. Aos poucos a gente vai lendo uma coisa aqui, outra ali, e vai aprendendo.

Obrigada pela visita.
Abraços,
Bianca

Con Gusto disse...

Obrigada Luciana! Tentarei mantê-lo atualizado para você voltar sempre mesmo.

Abraços,
Bianca